Artigos

Gastroenterite por Norovírus

As noroviroses são a causa mais comum de gastroenterite epidêmica, responsável por aproximadamente 50% de todos os surtos de gastroenterite em todo o mundo e é a principal causa de doença diarréica transmitida por alimentos. Diferente do rotavírus, ainda não existe vacina para o norovírus.
O norovirus foi identificado pela primeira vez como causa de gastroenterite, em Ohyo, em 1968.
Devido a falta de métodos diagnósticos sensíveis, a epidemiologia do norovírus permaneceu pobre até há pouco tempo. A partir de 2001 avanços substanciais foram feitos na epidemiologia, imunologia, métodos diagnósticos e controle da infecção.

O VÍRUS
Gênero Norovirus, família Caliciviridae. São divididos em 5 genogrupos de GI a GV, baseado na identidade de aminoácido da principal proteína estrutural. As cepas que infectam humanos são GI, GII e GIV.

CLÌNICA
As noroviroses causam gastroenterite aguda em pessoas de todas as idades.
Período de incubação – 12 a 48 horas.
Início agudo, diarréia não sanguinolenta, vômitos, náuseas e dor abdominal. Febre baixa e dor no corpo também podem estar associadas. Embora os sintomas possam ser severos eles costumam desaparecer após 1 a 3 dias, sem tratamento, em pessoas saudáveis. Crianças, pessoas idosas e pessoas com doenças crônicas principalmente, podem ter um curso da doença mais prolongado ( 4 a 6 dias). Aproximadamente 10% das pessoas necessitam atendimento médico que inclui hospitalização e hidratação. Norovirus associado a óbitos tem sido relatados em pessoas muito idosas que vivem em abrigos.
O vírus pode ser detectado em fezes numa média de 4 semanas após a infecção. O pico viral ocorre do 2º ao 5° dia.
30% das infecções por norovírus são assintomáticas e estas pessoas podem disseminar o vírus.

TRANSMISSÃO
Norovírus é extremamente contagioso. Os humanos são o único reservatório conhecido. A transmissão ocorre por 3 vias: pessoa a pessoa, alimentos e águas contaminadas. A transmissão por alimentos geralmente ocorre por contaminação de mãos infectadas de manipuladores durante a preparação dos alimentos ou antes no sistema de distribuição dos alimentos por contaminação com dejetos humanos, muito comum em ostras e framboesa.

TRATAMENTO – Reposição hídrica.

DOENÇA ESPORÁDICA
Estudos de revisão em países desenvolvidos e em desenvolvimento estima que as noroviroses causam gastroenterite severa em 10 a 15 % de crianças menores de 5 anos e 9 a 15% diarréia leve ou moderada em todas as idades.
Estudo baseado em laboratório de doença endêmica de norovirus nos EUA são esparsos. Recentes estudos sugerem que norovirus é a principal causa de gastrenterite aguda atendida em ambulatórios e departamentos de emergência, em todos os grupos etários.
Estudos sorológicos demonstraram que as infecções por norovírus são prevalentes no mundo e que a exposição inicial começa muito cedo na vida. Estudos populacionais na Austrália, Inglaterra, Hong Kong e Noruega, mostram norovírus responsáveis por 9 a 24% dos casos de gastroenterite. É mais freqüentes em crianças menores de 5 anos e em idosos > 65 anos.
Estudos que usam ensaios moleculares detectaram uma relativa alta prevalência de amostras positivas para norovirus em assintomáticos ( 5% em na Noruega e 16% na Inglaterra).

EPIDEMIAS
É a causa predominante de epidemias de gastroenterite no mundo. Estudos relatam o norovirus como responsável por aproximadamente 50% das epidemias nos EUA e Europa.
Embora ocorra durante o ano, existe, porém, um padrão sazonal nos meses de inverno em associação com a emergência de uma nova cepa GII.4.
Como a transmissão pode se dar através de alimentos, água e superfícies contaminadas bem como, diretamente pessoa a pessoa, as epidemias ocorrem em locais institucionais como, hospitais, abrigos, escolas, creches e afeta pessoas de todas as idades. Estudos mais recentes indicam que a maioria das epidemias envolve a transmissão pessoa a pessoa.
Estudo com 660 epidemias de norovirus confirmadas por laboratório:
234 (35,4%) – instituições: abrigo, creches, asilos, etc.
205 (31,1%) – restaurantes, festas e eventos.
135 ( 20,5%) – locais de férias, incluindo cruzeiros em navios.
86 (13,0%) – escolas e comunidades.

Restaurantes
O alimento pode ser contaminado em qualquer fase da sua produção: processamento, distribuição e produção. Alimentos crus (folhas, frutas) são de fácil contaminação.
Somente uma pequena dose do vírus é capaz de produzir infecção e assim os manipuladores de alimentos podem contaminar grande quantidade de produtos.

Cruzeiros Passageiros e tripulação de cruzeiros são afetados com freqüência.

DIAGNÓSTICO LABORATORIAL:
– PCR – ensaio em cadeia de polimerase
– Sequenciamento de DNA.
– Imunoensaios enzimáticos
Utilizar fezes frescas é mais indicada do que swab retal.
Fezes podem permanecer refrigeradas, a 4°C durante 2 a 3 semanas.

PREVENÇÃO E CONTROLE
Higiene das mãos – É o mais importante método para prevenir norovírus.
Água corrente e sabão – remoção mecânica; álcool gel não é tão eficiente.

Exclusão e isolamento
Considerando a alta infecciosidade do norovírus, exclusão e isolamento de pessoas infectadas são frequentemente os meios mais práticos de interromper a transmissão, limitando a contaminação do ambiente. Isto é muito importante em estabelecimentos como asilos, hospitais, cruzeiros e dormitórios de colégios. A intenção é minimizar o contato com pessoas durante o período mais infeccioso (24 a 72 horas). Passageiros em cruzeiros devem permanecer isolados voluntariamente em suas cabines por um período de 24 a 48 horas após a resolução dos sintomas.

Desinfecção do ambienteÉ importante o uso de desinfetantes químicos – hipoclorito de sódio.

Fonte: MMWR/CDC (4 de março/2011),60 (RR03); 1-15