Febre Amarela

Fevereiro 2018

A Febre amarela é uma doença viral transmitida por mosquitos, que compromete órgãos vitais e que pode ser grave e fatal.

 

ALERTA

Em 2018 houve um aumento importante do no. de casos de Febre amarela humana no Brasil, principalmente nos estados do Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais, com 463 casos confirmados e 153 mortes.

Os casos notificados ainda são considerados casos silvestres da doença pois ocorreram em pessoas que entraram em áreas de matas e florestas ou que vivem próximas a elas. Para que não corramos o risco de termos novamente  a Febre amarela urbana – que é transmitida pelo já conhecido mosquito Aedes aegypti – é importantíssimo termos a maior parte da população vacinada..

 

Como se proteger?

A vacinação é a medida mais eficaz para a prevenção da Febre amarela!                      

A vacina protege 99% das pessoas vacinadas e basta uma dose para toda a vida.

Outras medidas:

O uso de repelentes e a adoção de barreiras mecânicas (telas, roupas) são medidas auxiliares, já que apresentam uma eficácia menor que a vacinação, pois dependem do uso constante e correto destes artifícios. (saiba mais à redireciona para Informe Técnico “Como se proteger de doenças transmitidas por mosquitos).


Por que a vacinação é a melhor medida para o controle da febre amarela?

A vacinação é um pacto coletivo para o controle das doenças.  Somente através do aumento da cobertura vacinal (ou seja, aumento do número de indivíduos protegidos) é possível se alterar a dinâmica de transmissão de uma doença. Com a Febre amarela não é diferente.

É inviável pensarmos em acabar com os mosquitos transmissores. Também temos que considerar que esta doença apresenta um ciclo silvestre (entre macacos e mosquitos), fora do escopo das medidas de controle.

Deste modo, a única forma de impedirmos a circulação do vírus da febre amarela nos centros urbanos é aumentando a proteção dos indivíduos através da vacinação coletiva.     

Apesar dos esforços do governo brasileiro em vacinar toda a população desde 2017, a cobertura vacinal contra a Febre amarela ainda está muito baixa, o que impossibilita o controle da doença.

 

Informe-se mais sobre a vacinação:


Quem deve se vacinar?

– Todas as pessoas que tenham entre 2 e 59 anos de idade    


Quem pode tomar a vacina fracionada?

  •  Pessoas entre 2 e 59 anos de idade;
  • Mulheres que estejam amamentando crianças maiores de seis meses;
  • Pessoas com mais de 60 anos não vacinadas (após liberação médica).

 


Quem deve tomar a vacina plena e não a fracionada?

  • Crianças que tenham entre nove meses e dois anos de idade;   
  • Viajantes internacionais  

 


Qual o esquema de vacinação atualmente recomendado?

A Organização Mundial da Saúde considera atualmente que apenas uma dose da vacina, a partir dos 9 meses de idade, já é suficiente para proteção por toda a vida. Esta é a recomendação adotada hoje pelo Ministério da Saúde do Brasil.

A Prophylaxis segue esta recomendação mas considera a administração de uma dose de reforço em crianças que tomaram a 1ª. dose abaixo dos 5 anos de idade.


Qual a recomendação para viajantes internacionais?

Viajantes se dirigindo ao Brasil:

O Brasil exige o “cerificado internacional de vacinação contra a febre amarela” de todas pessoas a partir dos 9 meses de idade que estejam vindo dos seguintes países: Angola e República Democrática do Congo.

O Brasil recomenda que todas as pessoas entrando no país devem fazer a vacina contra a Febre amarela.

Viajantes saindo do Brasil:

O “certificado internacional de vacinação contra a febre amarela” é exigido somente pelos países onde existe a transmissão ou o risco da transmissão da doença. Ex: Angola, Austrália, Bahamas, Bolíva, China, Costa Rica, Egito, Índia, Indonésia, Tailândia entre outros.
Clique aqui e veja a lista completa de países

A vacinação deve ser feita 10 dias antes da viagem e a vacina utilizada deve ser a de “dose inteira”.


Quais são as contraindicações à vacinação?

  • Crianças abaixo de 9 meses * 
  • Idosos (a partir dos 60 anos)* 
  • Pessoas com alergia grave ao ovo
  • Pessoas que tenham algum quadro de baixa imunidade por doença ou tratamento *
  • Mães que estão amamentando crianças de até seis meses **
  • Gestantes *

* Considerar a vacinação dependendo do risco e orientação médica
**Caso a mãe tenha recebido a vacina, o aleitamento materno deve ser suspenso por 28 dias

 


Quais são as reações mais comuns à vacina?

As reações mais comuns se apresentam no local de aplicação, como dor, edema e vermelhidão. Eventualmente pode ocorrer febre, dor no corpo e dor de cabeça.