Prophylaxis – Clínica de Vacinação

Doenças e vacinas - Caxumba

CAXUMBA

Doença

A Caxumba é uma doença viral aguda que afeta primariamente a glândula parótida. É altamente transmissível através da saliva ou de secreções provenientes do oro-faringe. Os sintomas mais comuns são febre, dor-de-cabeça, dor muscular e inchaço da glândula parótida. A maioria das pessoas se recupera completamente entretanto, ocasionalmente, a Caxumba pode evoluir com complicações (especialmente entre adultos), como encefalite, meningite (em até 15% dos casos), inflamação dos testículos ou ovários, inflamação do pâncreas e surdez.

QUEM E QUANDO DEVE SER VACINADO

“A Caxumba pode acometer todas as faixas etárias, por este motivo a vacina é indicada para todas as pessoas a partir dos 12 meses de idade”. 

Existem 2 formulações de vacina contra a Caxumba, todas combinadas:
• Vacina tríplice viral: vacina contra Sarampo, Caxumba e Rubéola – Vacina tetra-viral: vacina contra Sarampo, Caxumba, Rubéola e Varicela.
 As vacinas combinadas: possuem dois ou mais tipos de vacinas contra doenças diferentes combinadas em uma única formulação possibilitando, em uma só aplicação, a proteção contra várias doenças.

Esquema de vacinação:
 Crianças: devem receber a primeira dose da vacina a partir dos 12 meses de idade e a dose de reforço com um intervalo mínimo de 3 meses (aos 15 meses ou entre 4-6 anos de idade). Pode-se usar tanto a vacina tríplice viral quanto a vacina tetra-viral.
 Adolescentes e adultos (nunca vacinados e que nunca contraíram a doença): devem receber 2 doses da vacina, com intervalo mínimo de 1 mês entre elas. A vacina de escolha é a vacina tríplice viral.

QUEM NÃO DEVE SER VACINADO

 Pessoas com doenças infecciosas em fase aguda (incluindo tuberculose ativa não tratada) ou com febre.
 Pessoas com história de reação grave (incluindo alérgica) a uma dose anterior da vacina ou a algum de seus componentes, incluindo ovo (vide bula).
 Crianças abaixo dos 12 meses de idade (considerar a vacinação a partir dos 9 meses como dose extra em casos específicos).
 Gestantes ou mulheres em fase de lactação.
 Pessoas com doenças que afetam o sistema imunológico (Ex: HIV/AIDS, câncer entre outras) ou em uso de medicação / tratamento imunossupressor.
 Pessoas que receberam transfusão de sangue (ou plasma ou imunoglobulina) a menos de 3 meses.